quarta-feira, junho 07, 2006

Margem da Palavra - A Terceira Margem do Rio



Texto: Renan Damasceno

“O seu palavreado diferente [de Guimarães Rosa] não é constituído propriamente de vocábulos “difíceis” ou desusados, como no caso de Euclides da Cunha ou Coelho Neto, mas de recriações e invenções forjadas a partir das virtualidades do idioma, que levam o leitor a constantes descobertas.” Augusto de Campos.

A Terceira margem do rio, sexto conto do livro Primeiras Estórias (1962), é uma celebração do silêncio, do sujeito que se desapropria da linguagem e fica à margem da vida. Uma narrativa silenciosa, que nos guia por um rio-texto, “rio abaixo, rio afora, rio adentro”.

O conto funda-se na narração do filho sobre seu pai “homem cumpridor, ordeiro, positivo” que decide viver em uma canoa à margem do rio. Narra o desgosto da família, seu sentimento de culpa, os anos que, rio acima, rio abaixo, seu pai vive sem se distanciar da margem. O conto termina quando a imagem do filho quase se funde com a do pai e o pedido do mesmo para quando morrer ser colocado em uma canoa, rio abaixo.

Guimarães Rosa se apropria da linguagem popular e cria um vocabulário calcado de neologismos, regionalismo e com sonoridades que se assemelham às criações joycianas. Metáforas e aliterações são comuns na narrativa como a seqüência fonética que dá fim ao texto “rio abaixo, rio afora, rio adentro – o rio”.

O personagem principal – o pai – caminha para uma não-existência ao quietar-se em sua canoa. Segundo Lacan, “existimos na linguagem e esta se relaciona com a cultura e com o social”, ao abrir mão desse instrumento de interação social, o personagem foge dessa ordem convencionada de existência.

O filho, incomodado com a situação, vive em sua culpa, de não ser capaz de tomar o lugar do pai e falha em sua última tentativa, ao fugir correndo pra longe da canoa.

Nesse conto de sentimentos desolados, culposos, de relação distanciada, tece a trama desse conto primoroso de Guimarães Rosa.

+ Guimarães Rosa na Internet:
O conto na íntegra :
http://www.releituras.com/guimarosa_margem.asp

6 comentários:

Mah Caldeira disse...

Adorei seu blog! Eh bom ver vida inteligente na internet. (E vc ainda eh headbanger!! =) hehe)

E tenho a impressão de que estudamos na Newton! rs! Jornalismo também!

Hasta! ;)

Aline disse...

oi,td bem?
engraçado, tenho a impressão de que já te conheço de algum lugar.

Ana disse...

uai renanzinho, colocando trabalhos de escola no blog agora é?
hehehehe

te adoro viste.
beijom e outro.
dessa vez não vou discutir com vc pq não conheço o conto. além disso, vc ja contou o final, seu sem graça

...dani... disse...

O que mais impressiona(pelo menos a mim - simples mortal que não conhece a fundo tal assunto) é a maneira que este pai Morre para uma sociedade...ele foge da sua própria existência. Muitas vezes nos calamos e chegamos a terceira margem...mas não nos enfiamos nos juncos quando tentam nos resgatar...eu pelo menos rs!!!

...dani... disse...

Ontem depois de achar seu bolg e comentar, fui revirar minhas 'coisas' e li uma citação do Guimarães Rosa anotada a muitos anos( nem tantos assim)...
"(...) amo os grandes rios, pois são fundos como a alma do homem.
Na superfície são vivazes e claros, mas nas profundezas são tranqüilos e escuros como os sofrimentos dos homems.
Amo ainda mais uma coisa de NOSSOS grandes rios: sua eternidade."
João Guimarães Rosa

...isso me remete a muita coisa...
" sou um rio das mágoas que há em mim, cachoeira que desagua no mar, oceano das vidas que vivi, e de outas que irei navegar...( acho que é assim, se não for desculpa J. Vercilo rs)
...muito bom esse seu espaço...

freefun0616 disse...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,