quinta-feira, março 19, 2009

Futebol e segurança pública

A cinco anos da realização da segunda Copa do Mundo no Brasil – a primeira foi em 1950 –, a segurança dentro e fora dos estádios emerge como principal preocupação do governo e da CBF. Ficar atento aos gastos com infra-estrutura e ao jogo de interesse de cartolas e autoridades é essencial para evitar que um rio de dinheiro público seja consumido e afogue o contribuinte.

A primeira atitude tomada (à custa da morte de dois torcedores nos últimos clássicos estaduais em São Paulo e em Belo Horizonte) é o controverso cadastro nacional de torcedores. Até agora a promessa é que o fã de futebol não precisará desembolsar nenhum centavo pela carteirinha, obrigatória a todos a partir do ano que vem. Basta esperar para saber quem vai pagar a bagatela.

O cadastramento não seria necessário se as leis fossem respeitadas e as medidas contra vândalos, enérgicas. Não será uma catraca na porta de estádio que inibirá a ação de animais que se transvestem de torcedores em dia de jogo como álibi para cometer crimes contra a sociedade e patrimônio público. A solução já temos, resta aplicá-la. Ou parece mais cômodo gastar milhões? (Renan Damasceno).


Está no editorial da Folha, de 15/03/09:

QUANDO CARTOLAS e autoridades se reúnem para promover uma Copa do Mundo no Brasil, ao cidadão, em especial na condição de contribuinte, é recomendável dose extra de desconfiança. A ideia agora é implantar um cadastro nacional de torcedores, que seria condição necessária para ter acesso aos estádios de futebol.

Boas intenções, como sempre, não faltam.

O propalado objetivo da medida é ampliar a segurança nas partidas de futebol. De posse de um cartão magnético contendo suas digitais, só torcedor "ficha-limpa" seria admitido depois da checagem numa catraca ultratecnológica; quem deve à Justiça seria barrado.

Ao que consta, contudo, poucos se puseram a verificar se, para atingir a pacificação nos estádios, é mesmo necessária tamanha elucubração cibernética. De saída, o método escolhido pelos dirigentes inverte a lógica: em vez de fichar apenas os suspeitos, os torcedores violentos, ficham-se todos. Além disso, barrar a entrada de uma pessoa num evento público porque ela não tem um "cartão de torcedor" parece abertamente inconstitucional.

Outro aspecto intrigante do projeto é que ele não fala em custos. Implementar o cadastro nacional, imprimir milhões de cartões magnéticos e instalar catracas "inteligentes" nos estádios não é barato.Mas o governo promete que a carteirinha sairá de graça para o torcedor.

Pretende destinar dinheiro dos impostos à aventura? Que suspeitos de sempre serão beneficiados com o monopólio da impressão de carteirinhas e outras facilidades?

A experiência internacional demonstra que a violência nos estádios se combate com ações convencionais das autoridades policiais e judiciárias e com um mínimo de adaptação nas leis penais. A receita é identificar os arruaceiros e bani-los das partidas de futebol -para sempre, nos casos mais extremos.

_____________________________________


+ Futebol neste blog:
Entrevista: José Roberto Torero
Entrevista: Kelen Cristina
Entrevista: Juca Kfouri
Especial: Como os grupos de investimento atacam o futebol
Canal 100 – Imagens líricas do futebol
O fatídico dia em que eles resolveram trocar de palco


5 comentários:

grupo gauche disse...

que bom que estao sendo tomadas medidas para que essas coisas nao se repitam. li em outros blogs que inclusive em outros paises torcedores matam o jogadores ate dentro do campo, claro que la nao se tem a revista na entrada como se tem aqui e ninguem entra armado, mas se o ser humano nao precisa propriamente de uma arma para fazer coisas como essa que sao vistas sempre

C. disse...

Interessante...

Marton Olympio disse...

Cara, esta é uma das propostas mais imbecis e estapafurdias que já vi.
Tipico de quem nunca foi ao estádio.
Já esta estimado em 80 milhões a confecção de tais carteirinhas.
Como seria a verificação num Flamengo e vasco?
Se tiver vontade e inteligencia, se acaba com a violencia.
Fácil.


http://martonolympio.blogspot.com/2008/11/vida.html

Sofista Minimus disse...

No mínimo essa é uma medida que precisa ser, e muito, debatida.

E que pelo menos, se aprovada, não deve ter nenhum ônus ao torcedor, muito menos monetário. Deveria retirar-se um percentual dos impostos sobre os ingressos para isto.

Sofista Minimus.

freefun0616 disse...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,