quinta-feira, setembro 03, 2009

Será o fim do jornal impresso? – (Parte.3)


Está na Folha de S. Paulo de ontem, 03/09/09:

Balanços de jornais dos EUA têm melhora

Se a crise dos jornais norte-americanos continua forte nos textos de colunas e blogs que vivem do assunto, alguns números recém-divulgados pelas maiores empresas de mídia dos EUA sugerem que o cenário é melhor do que há um ano. São os balanços do segundo trimestre de 2009 de companhias proprietárias de três dos cinco principais diários do país.


A New York Times Company, que publica o "New York Times", o diário mais prestigioso do país e terceiro colocado em circulação nacional, anunciou uma receita líquida de US$ 39,1 milhões, ante US$ 21,2 milhões no mesmo período do ano anterior. Seus custos operacionais caíram 20%, ou US$ 140,5 milhões, e a economia total pode chegar a US$ 450 milhões no ano, segundo Janet Robinson, presidente da empresa.

Os valores reportados são maiores do que esperavam os analistas do setor.
Surpresa semelhante causou a Washington Post Company, que publica o "Washington Post", quinto colocado em circulação e principal diário político, que anunciou uma receita de US$ 1,13 bilhão, um aumento de 2% nos últimos 12 meses, ante uma expectativa de US$ 1,09 bilhão. O Post teve ainda uma receita líquida de US$ 11,4 milhões, ante perda de US$ 2,7 milhões em 2008.

Já a Gannett, que publica o jornal mais vendido, o "USA Today", com uma tiragem média de segunda a sexta que chega a 2,1 milhões de exemplares, teve lucro de US$ 70,5 milhões no período, ante uma perda de US$ 2,29 bilhões em 2008, e uma diminuição de 72,3% nas despesas operacionais do segmento de publicações.

A divulgação da série de balanços, que ocorreu há algumas semanas, chegou mesmo a causar então uma pequena alta na cotação das ações de empresas jornalísticas abertas, que vinham sofrendo quedas consecutivas na Bolsa.

Nos EUA, o meio passa por um momento de redefinição por conta da crise causada pelo que especialistas chamam de "tempestade perfeita": um modelo de negócios insustentável iniciado nos anos 90, com a decisão de oferecer on-line de graça o mesmo conteúdo que é cobrado no papel; a migração lenta e ainda pouco significativa da publicidade do segundo meio para o primeiro; e a queda no volume de anúncios em geral, efeito da maior recessão das últimas décadas.

Além disso, e diferentemente das companhias europeias, por exemplo, as empresas jornalísticas norte-americanas eram até certo ponto inchadas. Um dos mais atingidos pela crise, quarto diário em tamanho de circulação mas com enfoque regional, o "Los Angeles Times" conta hoje com uma redação de 650 jornalistas. Em 2001, tinha o dobro de gente, ou o mesmo que o "New York Times" de hoje, que tem alcance nacional e cerca de setenta escritórios internacionais.

Outros perderam o foco ao longo dos anos, investindo em empresas de outros setores, das quais agora começam a se desfazer. A New York Times Company vendeu sua estação de rádio de música clássica por US$ 45 milhões e colocou à venda sua participação no New England Sports Ventures, dono do time de beisebol Red Sox.

Ainda assim, o meio jornal continua sendo a principal fonte de informação do país. Segundo levantamento feito em julho pela Scarborough Research a pedido da Newspaper Association of America (NAA), o número de adultos que leem jornal por semana nos Estados Unidos é de 128,5 milhões, ou 70,7% da população total de adultos do país.
____________________________
Leia+:

Será o fim do jornalismo impresso – Parte 1
Será o fim do jornalismo impresso – Parte 2
100 dias em 10 capas (Obama e as revistas)
Billy Wilder e o jornalismo